Feeds:
Posts
Comentários

Você

Quando tudo era nada

E eu já não me importava

Quando já não havia esperança

E já não fazia diferença

 

Assim mesmo sem querer

Apareceu você

Um tanto quanto timido

E um jeito gentil

Você foi preenchendo

O que antes era apenas vazio

 

E aos poucos aprendi a aceitar

E me acomodar no seu ombro macio

Sem muitas intenções

Apenas deixando acontecer

O que eu tanto sonhava

Você

 

Mais do que eu imaginei

A atenção que você me da é tão única

Que me leva a pensar

Se sou capaz de um dia te merecer

 

Deixo de lado meus medos

Minhas inseguranças infantis

Até mesmo um passado conturbado

Pois tudo que importa agora

É te fazer feliz

 

E essas humildes linhas são para você!

Ninguém

Ninguém entende a dor
que você insiste em esconder
a solidão
o vazio
a distancia

Ninguém entende a poesia
no sofrimento
na angustia
na duvida
no medo

Ninguém entende um coração
cansado
frustrado
machucado
carente

Ninguém entende a melancolia
que te persegue
e parece se repetir
sem cessar

Ninguém entende um sorriso
já tão marcado
de quem luta
para continuar a sorrir

Ninguém entende a beleza
nos momentos que me inspiram
a continuar escrevendo
em linhas sofridas
uma vida sem rimas

E mais uma vez…

E mais uma vez me encontro aqui
A porta trancada
A escuridão
O medo

E mais uma vez me encontro aqui
E me acompanha apenas
O vazio
E a frustação

E mais uma vez me encontro aqui
Na porta a bater
Tentando entrar
Tentando entender

E mais uma vez me encontro aqui
Insistindo
Querendo te entregar
O único bem que possuo

E mais uma vez me encontro aqui
Com o fardo pesado
Torturando meu corpo
Já sem forças para carregar

E tudo que busco
É a entrega
Que nunca consigo terminar….

Era você…

Desde que você se foi

Eu já chorei

E já sorri

Eu vibrei

E me emocionei

Eu me perdi

E me encontrei

Eu viajei

Eu me diverti

Eu fui a lugares novos

Conheci pessoas interessantes

Fiz novos amigos

E ganhei novos admiradores

E reencontrei velhos amigos

Me decepcionei

E me animei

Eu comprei uma bicicleta

E me aventurei

E também cai

E me levantei

Eu estive com outros caras

Eu tentei gostar deles

E eles gostaram de mim

Eu me arrepiei

E fugi

Eu mudei a estação de rádio

Ouvi novas músicas

Me aventurei em outras religiões

E diversifiquei minhas crenças

Eu recebi novas propostas de emprego

E recusei

Eu me abri

E não me perdoei

Eu ajudei muitas pessoas

E me sacrifiquei

Eu me entreguei aos meus amigos

E a bebida

E a diversão

E me apeguei

E emagreci

Eu ganhei condicionamento físico

Usei novos vestidos

E me adorei

E mesmo assim

Não esqueci

E continuo a pensar

E se…

E se tudo que eu queria

Era você!

Se você soubesse

Se você soubesse

O quanto já gosto de voce

Sem nem te conhecer

Apenas por querer

 

Se você soubesse

O quanto é esperado

O quanto eu anseio

Por enfim te ver

 

Se você soubesse

Das noites em claro

Dos momentos de vazio

E a eterna solidão que sinto

 

Se você soubesse

O quanto te busco

Em cada olhar

Em cada suspiro

 

Se você soubesse

O quanto me decepciono

Ao cair da noite

Sem já sem esperanças

 

Se você soubesse

Estaria aqui

E eu estaria ai

E ambos saberiamos

Solidão você deixou…

E tudo era solidão,
até você chegar,
você me trouxe inspiração,
e vontade de mudar

Você é como eu,
mas, abençoado com muito mais
e eu por um instante acreditei
que pudesse fazer parte

você me convenceu a abrir a porta
que está trancada a anos
você baixou minhas defesas
e minha capacidade de julgar

mas, como sempre
algo deu errado
e você se foi
e eu fiquei aqui a me culpar

e fico com esse gosto amargo
e essa sensação de culpa
e de vazio
de que perdi ou afastei a minha melhor chance

e solidão você deixou
e um coração partido
lamentando em versos tortos
sua eterna incapacidade de amar….

E quem pagará?

O que é o talento?

Ou a benção?

Se não o destino me cobrando

O preço por aquilo que não pedi

 

O que são palavras bonitas?

Se não versos sofridos

De uma alma cansada

Pagando com moedas

Essa imensa dívida

 

O que sou eu?

O que é você?

Se não pequenos seres errantes

Em busca de perdão

Ou de luz

 

Quem somos nós?

Quando nossos destinos se cruzam

Como que armado pelo vento

Para nos iludir e enganar

 

E quem pagará o inferno?

Pelas nossas andanças

Sem rastro e sem direção

Nesse mundo que de tão grande

Nos torna tão pequenos

 

E quem me libertará?

Do sofrimento eterno

Que me trás nada

Além de inspiração